Entre em contato conosco

Home » Blog

Blog

Mamoplastia redutora – Técnicas cirúrgicas e cicatrizes

 

Hipertrofia mamária é o termo usado para definir o aumento de volume das mamas. Este aumento acaba por pesar a mama e favorecer sua queda ou ptose. A cirurgia indicada nestes casos é a mamoplastia redutora.

Através desta cirurgia remove-se o excesso de tecido mamário que se constitui de pele, glândula e gordura. O material retirado é enviado para exame anátomopatológico ou biópsia, a fim de rastrear eventuais lesões da mama e câncer de mama. O tecido remanescente é utilizado para montar a nova mama. Caso ele não seja suficiente em quantidade ou qualidade, podemos lançar mão de pequenas próteses naturais para esta finalidade. Podemos retirar muito mais volume de uma mama do que o volume do implante obtendo assim uma mama menor apesar do uso da prótese. Esta cirurgia é então chamada mamoplastia redutora com prótese.

As cicatrizes são variáveis a depender do excesso de volume a ser reduzido. Geralmente essa cirurgia é feita com a utilização do t invertido ou âncora. É a cicatriz tradicional para redução de mama. Em casos com menos excessos e menos queda podemos encurtar o tamanho da cicatriz no sulco submamário ou transformá-la em uma cicatriz em formato de l. O uso somente da cicatriz vertical acrescida da periareolar é muito pouco usado neste tipo de cirurgia, estando restrito a pequenas hipertrofias sem grandes excessos de tecido.

A cirurgia de redução de mama tem, além dos seus benefícios estéticos, a melhora da postura, alívio de peso sobre a coluna e ombros e redução de irritações de pele em áreas de atrito que pioram muito em temperaturas mais quentes.

Dr. Guilherme Ribeiro

cirurgião plástico que se dedica à cirurgia plástica há mais de 15 anos, em uma trajetória pautada pela ética, excelência técnica e constante atualização.